...com alma, com gentes, com sabores, com sensações, com saudades...

segunda-feira, maio 01, 2006

Notas Soltas - Abril/2006

Constituição/1976 – Trinta anos após a aprovação, com alterações que o tempo e as circunstâncias aconselharam, mantém-se a referência do ordenamento jurídico e aval dos direitos, liberdades e garantias que, durante 48 anos, foram negados aos portugueses.

Carlos Fabião – Com a morte do ex-Governador da Guiné e chefe do EMGE, a democracia perdeu uma referência emblemática e um dos mais empenhados e generosos militares de Abril. Sofreu agravos e o ostracismo com enorme coerência e dignidade.

Marcelo Rebelo de Sousa – A situação de comentador televisivo confunde-se com as funções de conselheiro de Estado, não se percebendo se as suas afirmações são recados, opiniões ou intrigas.

Santos Cabral – A demissão, por razões de confiança política, não beliscam o decoro do ilustre juiz conselheiro, ao contrário da do antecessor cuja conduta atingiu o prestígio próprio, o da PJ e a honra de Ferro Rodrigues.

Iraque – O julgamento de Saddam é uma farsa. Os crimes sSão indefensáveis e sobram razões à acusação, mas mingua legitimidade aos julgadores. A verdade que se pretende apurar colide com a mentira que se quer apagar – o motivo falso da invasão.

Berlusconi – A postura, a linguagem e os interesses eram intoleráveis. O desaire da direita, daquela direita, pôs fim ao populismo, nepotismo e confusão de interesses públicos e privados. Tal como no poder, Berlusconi foi mesquinho na derrota.

Romano Prodi – A vitória é um desafio à unidade da esquerda. Feito o que era urgente – afastar Berlusconi –, falta o mais difícil, dignificar o Estado, pôr a economia a funcionar e manter a estabilidade governativa.

Irão – Os avanços nucleares e as declarações agressivas dos ayatollahs, com fortes motivações de hegemonia política e proselitismo religioso, justificam a apreensão mundial e vigilância estreita.

Vaticano – A aproximação à Sociedade S. Pio X (SSPX), onde sobressaem dois bispos abertamente fascistas e anti-semitas, é um indício dos caminhos que a ICAR se propõe trilhar com quem excomungou no anterior pontificado.

STJ – O acórdão que considera «lícito» e «aceitável» que uma funcionária de um lar de crianças deficientes, dê «estalos», «palmadas» e feche crianças em quartos escuros como medidas educativas, faz considerações deploráveis e jurisprudência inaceitável.

Espanha – Dia 14 comemorou-se o 75.º aniversário da II República que forças obscurantistas e reaccionárias derrubaram para impor a ditadura que oprimiu, torturou, exilou e assassinou centenas de milhares de patriotas e democratas.

Filipinas – A crucificação de fiéis, a evocar o sofrimento do seu Deus, não é um acto de piedade, é a violência que mostra a face da Igreja – a crueldade com que o clero conserva e promove uma fé arcaica, indigna do ser humano.

Israel – O atentado suicida que matou dez israelitas e feriu 60, com o Hamas a recusar condená-lo, compromete a Palestina e desmotiva os que apoiam a sua causa, indiscutivelmente legítima.

Madeira – O encerramento da Assembleia Regional no dia 25 de Abril, data a que deve a existência, é um insulto patético de Alberto João Jardim que fez o tirocínio democrático na escola do Estado Novo e o de boas maneiras em Chão da Lagoa.

25 de Abril – 32 anos depois, há quem exonere da lapela o cravo e da memória a Revolução, parasitas de alheia coragem, a comer frutos da árvore que não plantaram e a repoltrearem-se à farta na mesa que não puseram.

Chernobyl – A explosão com a força de 200 bombas como a de Hiroxima é uma tragédia viva e uma dolorosa recordação cujas feridas permanecem. Chernobyl é uma catástrofe em aberto, um laboratório de horrores e uma memória por encerrar.

Cavaco Silva – Foi estranho o entusiasmo dos aplausos do PSD e do CDS, na AR, ao discurso marcado por fortes preocupações sociais. Terá sido desatenção, dureza de ouvido ou oportunismo?

CDS – O azedume à Constituição da República é a reacção natural de um partido que nunca condenou a de 1933 nem sentiu a necessidade de existir enquanto a ditadura oprimiu o povo português.

Itália – A Esquerda conseguiu assegurar, para além da presidência do Governo, a da Câmara de Deputados e do Senado. Com margem tão escassa, o futuro Governo não aguenta a legislatura mas o País já não tem de aguentar Berlusconi.

Agricultura – A CAP viveu vinte anos à custa dos subsídios da União Europeia enquanto a agricultura definhou e morreu. O ministro Jaime Silva quer pôr termo ao parasitismo. Que não lhe doam as mãos. Portugal conhece esses «agricultores».

Monumento ao 25 de Abril em Almeida – Continuam favoráveis os ventos que sopram da CMA. Não podemos esperar que se faça já o que em sete anos se não fez.

aesperanca@mail.telepac.pt

3 Comentários:

Blogger BaBy_BoY_sWiM disse...

"Madeira – O encerramento da Assembleia Regional no dia 25 de Abril, data a que deve a existência, é um insulto patético de Alberto João Jardim que fez o tirocínio democrático na escola do Estado Novo e o de boas maneiras em Chão da Lagoa."

Quando falas de algo que não sabes, é algo vergonhoso...

Primeiro, se explicares o porque é que o Açores não celebram o 25 de Abril? Depois a Madeira vive o 25 de Abril não precisa de ser na Assembleia Regional, entendes?

Segundo a data não foi celebrada porque a oposição que existe aproveita a data para criticar o Governo Regional, que já fez mais pela Madeira, do que os muitos Governos que teve esta merda de país...

Tem mas é juizo quando falas algo da Madeira...

"MADEIRA MINHA VIDA, MADEIRA MEU PAÍS." - FLAMA

11:36 da manhã

 
Blogger BaBy_BoY_sWiM disse...

COMUNISMO NUNCA MAIS...

11:38 da manhã

 
Blogger Carlos Esperança disse...

Cada sítio tem o que merece. Pelos vistos.

12:15 da manhã

 

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial